a noite abrir-nos-á

(fotografia de thomas ruff, "untitled (from the nudes series)", 2001)

(dedicado a richard e nancy murrian)

não há poema que perturbe o grito amarelo-branco-suave, o que tenho debaixo da pele, o que os meus pais e os pais antes deles disseram através das mãos. o amor é um canal, uma flor enxuta e despida, já sabes que o teu nome tem apenas uma fenda entre os braços. e dois dedos a vomitar as neves.

jorge vicente


"heroes and villains" (brian wilson / van dyke parks)

(gravura de russell young, "easy rider - blue / purple", 2007)

"I've been in this town so long that back in the city
I've been taken for lost and gone
And unknown for a long long time

Fell in love years ago
With an innocent girl
From the Spanish and Indian home
Home of the heroes and villains

Once at night Catillion squared the fight
And she was right in the rain of the bullets that eventually brought her down
But she's still dancing in the night
Unafraid of what a dude'll do in a town full of heroes and villains

Heroes and villains
Just see what you've done

Heroes and villains
Just see what you've done

Stand or fall I know there
Shall be peace in the valley
And it's all an affair
Of my life with the heroes and villains

My children were raised
You know they suddenly rise
They started slow long ago
Ended up healthy wealthy and wise

I've been in this town so long
So long to the city
I'm fit with the stuff
To ride in the rough
And sunny down snuff I'm alright
By the heroes and--

Heroes and villains
Just see what you've done

Heroes and villains
Just see what you've done" (1)

the beach boys

(1) retirado do cd, smiley smile / wild honey (1967) e daqui.


irene lisboa

(pintura de marcel gromaire, "ouvrier près du péole", 1949)

"Estávamos no apogeu da última «grande guerra». O nosso volfrâmio parece que corria o destino dentro de vagões indemnes e impantes, partido das fragas brutas das Beiras e de Trás-os-Montes, onde os Fritz engenheiros dirigiam caravanas de bisonhos aldeões e vilões, acorridos do Norte e do Sul. Encharcavam-se estes, dia e noite, nos poços húmidos e empiolhavam-se nas casernas onde dormiam enrolados em mantas, mas, aventurosos como eram, sempre ganhavam um pouco mais que arrancar pedra ou a cavar a terra seca. Que o diabo lhes levasse a alma quando os penedos lhes caíssem em cima!

E de facto, assim aconteceu. Levou o diabo a alma a muitos e as cantinas e vendas organizadas para os servir levaram-lhes o dinheiro" (1)

irene lisboa

(1) LISBOA, Irene apud LAGE, Maria Otília Pereira - Velhas e novas alianças: arquivo e história em ambiente informático: produção de um CDROM. V Encontro Nacional de Arquivos Municipais - Sintra, 29 a 31 de Março de 2000. Sintra, 2000. p. 3.


william blake

(pintura de anónimo, "young man with red cap and cigarrette", princípio do século XX)

"I was angry with my friend; i told my wrath, my wrath did end" (1)

william blake

(1) BLAKE, William apud PULLMAN, Philip - The Amber Spyglass. London: Scholastic Press, 2001. ISBN 0-439-99414-4. pg. 267.



(imagem do filme jeremiah johnson, de sydney pollack, com robert redford)


(para o david fernandes, a hope sandoval e a rachel goswell)

perguntas-me se alguma vez escrevi poemas
com gente dentro ou se era apenas a voz da
linguagem a inventar nomes, lugares, sons,
a emoção no dedilhar dos dedos plenos

(como todos os livros ensinam)

perguntas-me se alguma vez haverá algum
homem como johnny ou se o velho ethan
encontrará paz num qualquer lugar bem
longe de monument valley

(talvez seja este o lugar dos sonhos)

perguntas-me se alguma vez escrevi
poemas de amor ou se as pessoas
(as vozes dentro do poema) existiam

como existe o silêncio crescente das neves

perguntas-me o que fica por detrás
mas o velho jeremiah nunca pensou sequer
em palavras quando dormia junto com as

jorge vicente


"visions of johanna" (bob dylan)

(fotografia de sheila metzner, "michal, odalisque", 1980)

"Ain't it just like the night to play tricks when you're tryin' to be so quiet?
We sit here stranded, though we're all doin' our best to deny it
And Louise holds a handful of rain, temptin' you to defy it
Lights flicker from the opposite loft
In this room the heat pipes just cough
The country music station plays soft
But there's nothing, really nothing to turn off
Just Louise and her lover so entwined
And these visions of Johanna that conquer my mind

In the empty lot where the ladies play blindman's bluff with the key chain
And the all-night girls they whisper of escapades out on the "D" train
We can hear the night watchman click his flashlight
Ask himself if it's him or them that's really insane
Louise, she's all right, she's just near
She's delicate and seems like the mirror
But she just makes it all too concise and too clear
That Johanna's not here
The ghost of 'lectricity howls in the bones of her face
Where these visions of Johanna have now taken my place

Now, little boy lost, he takes himself so seriously
He brags of his misery, he likes to live dangerously
And when bringing her name up
He speaks of a farewell kiss to me
He's sure got a lotta gall to be so useless and all
Muttering small talk at the wall while I'm in the hall
How can I explain?
Oh, it's so hard to get on
And these visions of Johanna, they kept me up past the dawn

Inside the museums, Infinity goes up on trial
Voices echo this is what salvation must be like after a while
But Mona Lisa musta had the highway blues
You can tell by the way she smiles
See the primitive wallflower freeze
When the jelly-faced women all sneeze
Hear the one with the mustache say, "Jeeze
I can't find my knees"
Oh, jewels and binoculars hang from the head of the mule
But these visions of Johanna, they make it all seem so cruel

The peddler now speaks to the countess who's pretending to care for him
Sayin', "Name me someone that's not a parasite and I'll go out and say a prayer for him"
But like Louise always says
"Ya can't look at much, can ya man?"
As she, herself, prepares for him
And Madonna, she still has not showed
We see this empty cage now corrode
Where her cape of the stage once had flowed
The fiddler, he now steps to the road
He writes ev'rything's been returned which was owed
On the back of the fish truck that loads
While my conscience explodes
The harmonicas play the skeleton keys and the rain
And these visions of Johanna are now all that remain" (1)

bob dylan

(1) retirado do cd de bob dylan, blonde on blonde (1966)


"no one came" (ritchie blackmore / ian gillan / roger glover / jon lord / ian paice)

(fotografia de d. w. mellor, "twist, venice", 1995)

"Maybe it's because I'm only starting
That I think it won't take too long
Maybe it's because I can see you laughing
That I think you've got it wrong
Maybe I could be like Robin Hood
Like an outlaw dressed all in green
Someone said what's he gonna turn out like
And someone else said never mind
Well I was big and bold and more than twice as old
As all the cats I'd ever seen
I grew my hair and bought a suit
Of shiny white or was it cream
I shook and shivered danced and quivered
And stood on a mountain top
No one came from miles around and said
Man your music is really hot

Well I knew what they meant because I was a freak
My throat was tired and worn
My pretty face just looked out of place
As they poured on the scorn
I wrote on yellow paper from a man who was the king
He said my boy we'll have some crazy scenes
There weren't any scenes at all like he was talkin' about
He must've been the king of queens
Well I could write a million songs about the things I've done
But I could never sing them so they'd never get sung
There's a law for the rich and one for the poor
and there's another one for singers

It's die young and live much longer
Spend your money and sit and wonder
No one came for miles around
And said man your music is really funky

I believe that I must tell the truth
And say things as they really are
But if I told the truth and nothing but the truth
Could I ever be a star
Nobody knows who's real and who's fakin'
Everyone's shouting out loud
It's only the glitter and shine that gets through
Where's my Robin Hood outfit
Well I've come and I've gone before you wink an eye
No one ever cared enought to say goodbye
The money's good and the time you have
Fun and games galore
But you spend your money and lie in bed forgotten
And you wonder what you did it for
No one came from miles around
And said man who's he?" (1)

deep purple

(1) retirado do cd dos deep purple, shades 1968-1992 (1999)


"avó, quando morreu o teu filho" de joan neet george

(pintura de edgar arceneaux, "cancer", 2008)

"Avó, quando morreu o teu filho
quente ao teu lado
na tua cama estreita,
a sua respiração forçada mantinha-te
e acordava-te quando
e parava.

Abraçaste-o durante a madrugada amarga
e de manhã
vestiste-o, penteaste-lhe os cabelos,
as tuas lágrimas subiam, mas não choraste
até ele finalmente jazer
entre as íris no túmulo,
a sua alma inexplicavelmente fugida para
[Deus. Ámen.

Mas avó, quando o meu filho morreu
querido Jesus, morreu duramente.
Um motor ao lado
da cama estirilizada
roncava, e assobiava e zumbia
enquanto ele cantava a sua dor -
notas graves e notas agudas
em compassos lentos
deslizando através da nuvem de drogas.

As minhas lágrimas, redundantes,
caíam lentamente
como glucose ou sangue
de um frasco.
E quando ele morreu
os meus olhos estavam secos
e deuses de bata branca
viraram costas." (1)

joan neet george

(1) GEORGE, Joan Neet apud SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 294, 295.


juliet burch

(quadro de randall exon, "bren 2", 2006)

"Sentada com o Papá
O homem que era / é meu pai
A sua respiração forçada, ritmada
A fragilidade da sua estatura agora
Seguro a sua mão quente e
O quarto está tranquilo
Há uma tal ausência
de medo
neste quarto. É um
lugar sossegado para morrer.
Finalmente não tenho
receio de segurar a mão de um homem que
era tão poderoso.
Um quarto onde
é difícil chegar,
e no entanto
donde é difícil partir.
O seu olho aberto.
Ele está ali
mas que acontece no seu interior?
Uma pausa no metrónomo da respiração
Fico atenta.
E então o ritmo
como o relógio cansado
Interrogo-me se ele
no íntimo. Terá medo?
Preocupo-me menos -
Porque olho e descubro que
agora a mão
que está segura é a minha. (1)

juliet burch

(1) BURCH, Juliet apud SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 293.


what is death and what is life

(fotografia de elliott erwitt, "california", 1955)

"Devemos entender que as pessoas não estão a viver ou a morrer, mas sim vivas ou mortas. Rotule-se alguém como terminal e é tratado como morto. Isso está errado; se estiver vivo pode continuar a participar amando, rindo e vivendo. Antes de aceitar a decisão de morrer de um tetraplégico faria com que tivesse um mês de aulas de arte com outro tetraplégico que faz quadros inacreditavelmente belos segurando o pincel com a boca" (1)

bernie s. siegel

(1) SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 288, 289.


guillaume apollinaire

(fotografia de michael light, "first american spacewalk, gemini 4", s/d)

"Venham até à berma.
Não, vamos cair.

Venham até à berma.
Não, vamos cair.

Eles foram até à berma.
Ele empurrou-os e eles voaram." (1)

guillaume apollinaire

(1) APOLLINAIRE, Guillaume apud SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 283.


amar ou gostar de

(fotografia de bruce davidson, "untitled, (hampton, VA, 1962) from a time of change",1961-1965)

"Perdão não significa ignorar o que foi feito ou pôr uma etiqueta falsa num acto de malvadez. Significa, pelo contrário, que o acto de malvadez deixa de permanecer uma barreira à relação... Devemos reconhecer que a má acção do vizinho inimigo, a coisa que fere, nunca exprime totalmente aquilo que ele é. Podemos encontrar um elemento de bondade mesmo no nosso pior inimigo.

O significado do amor não deve ser confundido com uma efusão sentimental qualquer. O amor é algo muito mais profundo que a tolice emocional. Agora podemos ver o que Jesus queria dizer quando disse: «Amai os vossos inimigos». Devíamos estar satisfeitos por ele não ter dito: «Gostai dos vossos inimigos?». É quase impossível gostar de algumas pessoas. «Gostar» é uma palavra sentimental e afectuosa. Como podemos ser afectuosos com alguém cujo objectivo confesso é esmagar o nosso ser e colocar inúmeros obstáculos no nosso caminho? Como podemos gostar de uma pessoa que ameaça os nossos filhos ou bombardeia as nossas casas? Isso é impossível. Mas Jesus reconhece que amar é maior que gostar. Quando Jesus nos exorta a amarmos os nossos inimigos, fala de compreensão e boa vontade criativa e redentora entre todos os homens. Só seguindo esse caminho e respondendo com este tipo de amor poderemos ser filhos do Pai-nosso que está no céu. O verdadeiro teste não é se somos capazes de ser crucificados para salvar a humanidade mas se conseguimos viver com alguém que ressona." (1)

martin luther king jr.

(1) KING, Martin Luther, Jr. apud SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 273, 274.




a noite abrir-nos-à

(pintura de francisco de goya, "witches in the air", s/d)

entrega a flor boa
e viola-me, como se eu
fosse um castelo sem pedras
e sem lugares. ama-me como
se dissesses adeus e te despedisses,
sem renunciares ao ínfimo sacrifício

da paixão.

ficou-me da lembrança clara dos
mortos a cantiga que desfolhaste

ao cair do teu amor. lembro-me das
chamas, dos olhares sem corpo,

do lírio vergastado e do amor
empilhado. os perfeitos julgavam

olhar no meu sorriso sem paz
o reaproximar do canto. sem uma

voz que socorra a chama e a invoque.

venham de mim todos os mortos
e todos os sacrifícios e todas

as pedras encostadas ao deus
moribundo. apenas visto a cor

da cinza, com os lábios encostados
em nada, senão em tudo.

montségur, lá no alto,
agiganta-me no pranto
e lança tudo sem ao menos
perguntar a lágrima

jorge vicente


a importância do toque quando estamos doentes

(fotografia de john dugdale, "christ our liberator, morton street, new york", 1999)

"É igualmente importante que os casais retenham uma forma qualquer de intimidade física durante a doença. Como muitos idosos, os doentes gravemente doentes sofrem frequentemente de «fome de pele», uma separação literal da vida, quando deixa de haver toque. Se fazer amor se torna difícil, normalmente há formas alternativas possíveis de gratificação sexual no âmbito dos valores, engenho e condições físicas do casal. Carícias, abraços, beijos e dar as mãos são sempre possíveis." (1)

bernie s. siegel

(1) SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 264.


doença e honestidade

(fotografia de bill jacobson, "5044", s/d)

"Apesar de toda a gente à minha volta se esforçar ao máximo por estar alegre e optimista, por qualquer razão o efeito em mim era precisamente o oposto. Ser subitamente empurrada para uma situação em que toda a gente se comportava de forma positiva quando estava perto de mim fez-me aperceber até que ponto deixara de fazer parte desse mundo.

Os médicos e enfermeiras que tratavam de mim não podiam ter sempre um bom dia. Deviam estar cansados de me virar na cama ou de me ouvirem queixar. Mas eu nunca vi isso. A analista que me tirava sangue devia ficar frustrada por as minhas veias serem tão difíceis de encontrar. Mas sorria sempre, por entre dentes cerrados. Muitas vezes ouvi o pessoal médico falar do lado de fora da minha porta em tons agitados. Mas depois apareciam sempre no meu quarto como se fossem actores a entrar em palco num papel bem ensaiado.

O mesmo acontecia com a minha família e os amigos. Todos tentavam ajudar dizendo-me que eu era fantástica e corajosa. Até o homem da minha vida me tratava de maneira diferente. Eu sabia que ele devia ter sentido alguma injustiça por estar envolvido com uma mulher moribunda - uma evolução com que nunca contou. No entanto, nunca mo exprimiu. Claro que a sua intenção era proteger-me, mas eu teria muito para lhe dizer. Em vez de sondar as suas emoções, que me teriam incluído no processo da vida, deixei-me sentir excluída pelo seu silêncio." (1)

beyhan lowman

(1) LOWMAN, Beyhan apud SIEGEL, Bernie S. - Amor, medicina e milagres. 1ª ed. Lisboa: Sinais de Fogo, 2004. ISBN 972-8541-47-3. pg. 263, 264.


e o vencedor é...

amigos, no passado dia 16 de fevereiro, aderi a um desafio muito interessante proposto pela alexandra oliveira: o "desafio dos trastes". muitos de vocês participaram, muitos de vocês se candidataram a receber uma pequena prendinha gastronómica da região onde habito, ou seja, Sintra.

Ora, o feliz contemplado para este prémio foi:


Ela (ou ele) irá receber então por correio as queijadinhas da SAPA, que são um dos ex-libris da mais bela vila do país: Sintra.

Jorge Vicente